João Lourenço “fecha olhos” a sobrefacturação de governantes na aquisição de casas precárias no Calumbo

Os negócios das residências precárias do Calumbo a preços milionários, continuam.

Fontes próximas, denunciam que a insistência de João Lourenço no negócio de casas precárias do Calumbo demonstra estar bem representado na subfacturação

João Lourenço autorizou em Despacho Presidencial n.º 79/20, publicado em Diário da República Iª Série n.º 78, de 5 de Junho de 2020, a autorização de despesa e a abertura do procedimento de contratação simplificada para a adjudicação dos contratos em regime de concessão e construção da empreitada de construção e requalificação do terreno infra-estruturado e as 200 Casas, parcialmente construídas, na Zona do Calumbo, Província de Luanda.

Segundo o documento que O Decreto teve acesso, para a edificação do Centro Especializado para o Tratamento de Epidemias e Pandemias (CETEP), e o Contrato de Fiscalização da referida Empreitada, estão disponibilizados: 33 906 766,96, e Kz: 559 461 639,00, acrescidos do IVA

Um total de 593 368 405,96 kzs, montante equivalente ao preço de (7) sete casas.

O que segundo especialistas vem monstrar o interesse da cúpula “lourensista” em insistir na subrefacturar na aquisição daquelas habitações,

O negócio apontando como estando envolvido Afonso Lopes Teixeira Garcia, mais conhecido por General Led, antigo consultor do actual Ministro do Estado e Chefe da Casa de Segurança do Presidente da República, General Pedro Sebastião, só se justifica o envolvimento do chefe do estado por estar bem representado pelo Pedro Sebastião, conta a nossa fonte.

Afonso Lopes Teixeira Garcia, mais conhecido por General Led foi nomeado a 20 de Junho de 2018, a 6 de Janeiro de 2018, o oficial das forças armadas via-se envolvido no caso Burla a Tailandesa, enviando uma carta ao inclino do Banco Nacional de Angola com o propósito de, supostamente, tentar influenciar positivamente o pedido da cooperativa das FAA.

Nesta carta, sem o timbre da referida cooperativa, o general Led fazia menção de que o projecto dos tailandeses era viável e mencionava a carta da cooperativa Ondjo Yetu, na qual exercia a função de assessor e de colaborador, enviada dias antes. Na carta lida pelo juiz Aurélio Simba, o seu signatário dizia ainda que que já estava em curso um trabalho feito junto do Banco Nacional de Angola (BNA), do Banco de Negócio Internacional e da UTIP e até àquele momento não havia sido detectada qualquer anomalia.

Esta aquisição após a denúncia feita pelo O Decreto, foi confirmada pelo ministro de Estado e Chefe da Casa Civil do Presidente da República, Adão de Almeida, segundo Almeida a aquisição do imóvel infra-estruturado com 200 residências, localizadas na Comuna do Calumbo, Município de Viana, no valor equivalente em Kwanzas a USD 24 976 189,49, vai servir para medicar deficiência nas medidas contra Covid-19”.

Localizadas no Bairro Ngolombe, Comuna do Calumbo Município de Viana, estão já deterioradas e o estado deverá fazer novas obras. Além de mais, estarem em preços bastante exorbitantes.

Segundo fontes do Ministério da Finanças a titular da pasta já questionou a compra mas nada pode fazer, senão cumprir a ordem do chefe do executivo, João Lourenço.

Feita as contas, 24 976 189,49 dólares, dividindo por 200 casas, cada uma tem como preço único 124.880,94 dólares.

Convertendo ao câmbio do dia, que é 53.900, Kzs, cada habitação vai custar do cofre do Estado um total de 68.732.800kzs. Valor superior há de construção de um Hospital Municipal.

No Orçamento Geral do Estado 2020, está prevista a construção de Hospital Municipal de Cacuaco no valor de 59.200.133 kzs.

O Decreto