Pacientes com Covid internados no Hospital de Campanha da Zona Económica denunciam maus-tratos

Grito de socorro vindo do Hospital Inaugurado pelo João Lourenço

Os pacientes internados no hospital de campanha inaugurado recentemente pelo Presidente da República, João Lourenço, na Zona Económica Especial em Viana, queixam-se  de maus-tratos e falta de higiene para o internamento.

Segundo uma carta publicada na manhã deste domingo, 12 com o título: “Um clamor vindo do Hospital de Campanha da ZEE” descrevem as vicissitudes por que passam estes cidadãos.

Anexo a carta

UM CLAMOR VINDO DO HOSPITAL DE CAMPANHA DA ZEE.

“Bom dia!  Por favor, precisamos, com urgência, da ajuda de vocês, porque querem nos matar. Estamos na Zona Económica, quilómetro 27, hospital de campanha para a Covid-19, ao lado da fábrica da Fiat. Estamos aqui porque o nosso teste do covid19 deu positivo assintomático.

Neste estabelecimento não tem condições nenhumas.  WC sujo, o matabicho chega às 10 horas; o almoço às 17 horas; o jantar chega às 20 ou 22 horas. A única medicação que nos dão é Vitamina C e complexo B ( Se estamos doente nos dêm medicação da covid19 para nos curar).

Sempre que fazemos os testes só da positivo, mas as nossas famílias foram levadas para quarentena e os testes deram  negativo. Mas aqui tem pacientes que chegam na segunda feira e no sábado estão a ir embora. Os alunos da RÚSSIA estão todos bem de saúde, mas os testes só dão positivo, igualmente com os da multiperfil.

Tem pessoas que chegam hoje e amanhã estão a ir embora. Estão a chegar casos graves de outros hospitais e na sua maioria estão a morrer aqui e estes mais velhos partilham o mesmo wc com os jovens todos.

Obs: e os mais velhos chegam sempre borrados no wc e tudo fica do mesmo jeito, não tem ninguém da limpeza. E quando fazes o teste ninguém diz nada. Você não vê teste nenhum, se deu positivo ou negativo. Chega uma lista com o enfermeiro em serviço e começa a seleccionar as pessoas que eles querem para irem embora.

Nós não vamos morrer de covid19, vamos morrer de psique, de tanto pensar e vamos morrer de fome, tem muito mosquito, baratas, moscas.

Por favor, partilhem está mensagem porque vamos morrer se ninguém fizer nada por nós. Os nossos dirigentes quando vêm para aqui recebem informação de que está tudo bem, mas não está nada bem.

Por favor, direitos humanos, ajudem-nos, por favor; ajude você que está a ler esta mensagem; partilhe porque se calhar amanhã um teu familiar também pode vir parar aqui.

Autora: Isabel Fonseca