Homem dado como morto no quarto de uma pensão sobrevive aos golpes de faca desferidos pela adolescente de 17 anos

O homem que estava a ser dado como morto, após ter sido gravemente ferido com mais de vinte golpes de faca no corpo, supostamente, por uma adolescente de 17 anos, no quarto da pensão “Espaço de Viana”, em Luanda, finalmente está vivo e o seu quadro clínico é relativamente estável.

O Decreto noticiou nesta segunda-feira, 11, que o homem, agora identificado por Jacinto Keta Makanga, 55 anos, estava morto, mas o certo que, após ter sido levado de emergência em estado de coma, até ao Hospital do Kapalanga, no município de Viana, onde está a receber até ao momento assistência médica e medicamentosa, a vítima foi submetida a várias cirurgias e teve uma paragem cardiorrespiratória.

Dados avançados pela Polícia Nacional indicam que, a suspeita pela tentativa de homicídio voluntário é uma jovem adolescente de 17 anos, que falando à imprensa, contou que era alegadamente “abusada sexualmente desde os últimos três anos pelo homem”, que segundo a menor, trata-se de um “general das Forças Armadas Angolanas (FAA)”, por sinal “amigo” do seu pai, que supostamente ameaçava matar as suas irmãs e a mãe, caso ela denunciasse o caso à polícia.

A adolescente de 17 anos disse que, para que se colocasse fim ao que considerava ser “abusos que vinha sofrendo do general”, segundo disse, há mais de dois anos, nesta segunda-feira, 11, dia combinado para o encontro na pensão “Pátio de Viana”, decidiu levar um martelo e uma faca de cozinha.

Já no interior do quarto, após uma breve “conversa de acerto”, contou a menor, o senhor Jacinto Keta Makanga decidiu despir-se e, enquanto estava de costas tirando a camisa, foi à ocasião em que ela desferiu o primeiro golpe de martelo, começando assim a briga dentro do quarto.

“Ele violava-me, e dizia que podia fazer mal à minha família, me mostrava arma, nunca me dava nada em troca depois do acto, já não estava aguentar, fazíamos sexo muitas vezes, foi então que levei comigo uma faca e um martelo, e tão logo se preparava para praticar o coito lhe surpreendi com os meios contundentes e começamos a lutar”, disse a menor.

Foram contabilizados 28 golpes de faca, sendo alguns atingiram o coração e o pulmão, facto que deixou o homem entre a vida e a morte.

O médico do Hospital do Kapalanga, que está a tratar da vítima, disse que nas últimas 24 horas, o suposto “general” teve melhoria e já recebeu visita da família, inclusive da própria esposa, nesta terça-feira, 12.

Em declarações breves concedidas à Rádio Luanda, o homem de 55 anos, que escapou da morte após o esfaqueamento, afirmou que mantinha apenas uma relação de amizade com a adolescente, sem qualquer interesse.

Coma sua voz ainda tremula face aos ferimentos e dores que ainda sente, Jacinto Keta Makanga, disse que a jovem adolescente pedia sempre que fosse ajudado com valores financeiros, tendo velando mesmo montantes que chegou de transferir para a sua conta bancária.

A vítima sublinhou que, o encontro que resultou no incidente, foi alegadamente proposto pela suposta agressora, que teria mesmo sugerido que fosse no “Pátio da Vila”, sem, no entanto saber das suas “segundas intenções”.

“Assim que chegamos ao quarto, sem antes termos conversado, começou a espetar-me com facas ao ponto de eu perder a força e cair no chão”, disse.

O Decreto