Trabalhadores despedidos da Sonangol II denunciam “esquemas” no processo de indemnização

Dezenas de trabalhadores da Sonangol Investimentos Industriais (SIIND), na Zona Económica Especial Luanda-Bengo (ZEE), convocaram, para este sábado, 10, uma manifestação defronte à sede da empresa, em Luanda, contra aquilo a que consideram de “esquemas”, que têm sido praticadas no processo de indemnização dos funcionários despedidos.

Segundo apurou O Decreto, os trabalhadores da Sonangol Investimentos Industriais (SIIND) foram despedidos no âmbito das privatizações das unidades fabris que funcionam na ZEE por decreto presidencial.

Em nota de imprensa enviada a este portal, os trabalhadores realçam que “a Sonangol Investimentos Industriais, até ao momento não concluiu com o processo das compensações dos trabalhadores da segunda fase”.

Na voisão destes trabalhadores, a entidade patronal “tem estado a criar manobras com objectivo de roubar os direitos adquiridos por lei dos trabalhadores como por exemplo, o não pagamento dos retroativos desde 2017, a dedução do IRT (Imposto de Rendimento de Trabalho) durante 10/11 anos a cada trabalhador no acto das compensações”, o que para eles “é ilegal, porque o operário já pagou tais impostos ao longo do tempo que trabalhou”.

“Isto é uma fraude, é dupla tributação e AGT sabe disso”, dizem os reclamantes, para quem a Sonangol Investimentos Industriais (SIIND) “ainda não facultou ao Sindicato dos Trabalhadores os mapas das compensações dos trabalhadores para não verificação dos cálculos se foram feitos ao câmbio de 32 ou de 40 praticados”.

Denunciam igualmente que a Sonangol Investimentos Industriais (SIIND) “deduziu o INSS o que é um autêntico roubo aos angolanos, que o Presidente da República, João Manuel Gonçalves Lourenço, prometeu combater”.

“Não tendo concluído a 2° fase, a Sonangol Investimentos Industriais (SIIND) já anunciou o arranque da 3° fase das privatizações e sendo assim, a SIIND, viola a lei o que significa que as irregularidades continuarão”, lê-se na nota.

De acordo com os trabalhadores, a manifestação deste sábado, 10, junto ao edifício sede da Sonangol, na capital do país, vai acontecer às 13 horas, acompanhados de seus filhos menores de idade, que segundo afirmam “estão a padecer de fome em casa”.

“Vamos exigir que a Sonangol Investimentos Industriais (SIIND) reponha a legalidade dos nossos direitos compensatórios justamente, por isso, apelamos a polícia que faça bem o seu trabalho, porque a polícia é republicana para ordem e segurança”, referem os trabalhadores, acrescentando que “a nossa luta não com a política, é sim com contra o empregador que está nos defraudar, alertamos que estamos bem dispostos a dar às nossas vidas em detrimento dos nossos direitos”.

Tentamos sem sucesso ouvir a companhia.

 O Decreto

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.