“Negócio do sexo” aumenta em Luanda por culpa da Covid-19

A pandemia da Covid-19 continua a fazer das suas, com consequências devastadoras no sector da economia do país e outras esferas da vida social das famílias angolanas. Entre os “males” provocados pela SARS-COV2 está o desemprego, que nos últimos dias, tem servido de pretexto por parte de muitas mulheres para a pratica da prostituição.

A prostituição – fenómeno que tem resistido à pandemia da Covid-19, onde mulheres e homens entregam-se diariamente nesta prática, uns em busca de prazer, enquanto outros fazem da profissão o sustento das suas famílias.

Conhecida como a mais velha profissão do mundo, a prostituição é considerada como a actividade que consiste em oferecer satisfação sexual em troca de remuneração, de maneira habitual e promiscua.

Apesar das repressões das sociedades, ela resiste às agressões dos tempos, tendo se modernizado a velocidade da era digital.

Na rua ou em locais reservados, a prostituição é há muito, o escape usado, não apenas por mulheres, mas nos dias que correm é, igualmente, praticada por homens que procuram resistir às variações da economia globais fortemente atingidas pela pandemia da Covid-19.

Entretanto, será que o “negócio do sexo” sofre com a SARCOV-2? A resposta vem de quem desta pratica sobrevive e daqueles que procuram pelos “serviços de prazeres carnais”.

O portal O Decreto aventurou-se nas noites frias de Luanda para perceber como funciona o negócio da prostituição em tempos pandêmicos. Por uma questão de confidencialidade, os nomes verdadeiros dos entrevistados foram substituídos por outros fictícios.

Isabel Fonseca, jovem de 18 anos, alega ter abraçado recentemente a prostituição, depois de perder o emprego de garçonete do país.

A jovem, conta que, diariamente sai da zona em que reside, fora de Viana para montar a sua “parada” no distrito do Zango – o seu espaço de soberania, onde sobre todos os riscos, entrega o seu corpo aos desconhecidos em troca de dinheiro.

“Infelizmente perdi o emprego e, como as necessidades apertam cada vez mais, não encontrei outra saída senão a venda do meu corpo, pelo facto de não ter alguém para me apoiar”, descreveu.

Isabel Fonseca disse que, o dinheiro que ganha em cada noite de “prazer com homens desconhecidos” tem sido necessário e indispensável para sustento da sua família, composta pais desempregados e um irmão que vive um comportamento desviante da lei.

Se a Isabel Fonseca foi “impelida” à prostituição pelos efeitos nefastos da Covid na economia, o mesmo não se pode dizer das jovens Joana (20), Francieny (24) e Edmila (26), que se assumem como “experientes” na profissão e que desta, nem mesmo o risco da Covid as afasta das ruas da capital do país.

“Já estamos nesta vida há mais de seis anos, por isso, conhecemos bem o tipo de trabalho que temos feito”, afirmou a mais velha do grupo, para quem enveredaram por esta pratica pelo facto de estarem desempregadas.

Homens na prostituição

Se no passado era quase impensável verem-se homens mergulhados na prostituição,  actualmente, a quem dá o rosto assumindo que graças os seus dotes masculino, consegue garantir o sustento da mulher e filhos.

“Engana-se quem pensa que, a prostituição é praticada apenas por mulheres”, começou por explicar o jovem Humberto, que aparenta ter menos de 30 anos.

Para ele, o seu envolvimento com a prostituição é conhecido pela sua esposa, que não faz caso da profissão. Humberto admite que, apesar dos abalos da Covid-19, o que fez reduzir uma considerável quantidade de “clientes do sexo oposto,  o negócio tem sido rentável com a ajuda das redes sociais, que segundo contou ao O Decreto “facilitam o contacto com as consumidoras”.

À medida que a noite rendia-se à madrugada, a equipa do portal O Decreto caminhava “imparável” pelas ruas de Luanda a descoberta de novos pontos de prostituição e, foi na Ilha do Cabo, onde encontramos Aguinaldo Jorge, 27 anos.

De aparência vistosa, o simpático jovem disse que está há quatro anos no mundo da prostituição e que os lucros são inquestionáveis.

Disse que tem receio de ser contaminado com o HIV, pelas suas clientes, que na sua visão são mulheres de classe alta, mas também pela Covid que circula desenfreada pela cidade capital.

O medo pela Covid-19 paira, mas a satisfação das necessidades impera face à situação socioeconómica difícil, que as famílias enfrentam.

O sociólogo, Manassé Daimone, atento ao fenómeno, sabe que a prostituição tem sido o refugio usado por mulheres e homens, para fazerem face às consequências negativas da pandemia na economia.

O sociólogo afirma que o confinamento imposto pela pandemia contribuiu para desestruturação de muitas famílias, obrigando a que homens e mulheres casados procurassem a satisfação sexual nas ruas.

Não faltam nomes para rotular quem da prostituição faz o seu “ganha pão”. O Jurista Anderson João, explica que a prostituição não é crime, mas é considerada a luz da constituição uma prática imoral e ilícita que deve ser repreendida.

O Decreto

One comment

  1. Undeniably believe that which you stated. Your favorite reason seemed to
    be on the net the easiest thing to be aware of. I say to you,
    I definitely get annoyed while people consider worries that
    they plainly do not know about. You managed to hit the
    nail upon the top and defined out the whole thing without having side effect , people could take a signal.

    Will probably be back to get more. Thanks

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.